Blog

jequitiba-rosa

jequitiba-rosa

Nos dias 01 e 02 de outubro, o Festival Cultivar promove a Expedição Folclórica Jequitibá-Rosa no Parque Vassununga, em Santa Rita do Passa Quatro. A atividade é voltada para escolas da região.

O Parque é uma área de grande destaque ecológico por representar um dos últimos remanescentes de vegetação natural outrora existente na região, um relicário de fauna e flora. Abriga a maior concentração de indivíduos de espécies Jequitibá-Rosa, incluindo o maior exemplar paulista acessível a visitação pública. Este espécime é uma das árvores mais antigas do mundo, com idade estimada em mais de 3 mil anos. Tem 40 metros de altura, o que equivale a um prédio de 13 andares.

Essas e outras informações serão apresentadas aos participantes desta Expedição Folclórica, que contará também com intervenção artística de Juliana Bazanelli e Aila Rodrigues com personagens do folclore brasileiro.

O 6º Festival Cultivar é uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação. Todas as atividades são gratuitas.

Realizado anualmente pelo Instituto Árvores Vivas, este é o primeiro e maior evento brasileiro focado na reconstrução do vínculo entre sociedade e natureza, levando centenas de crianças e famílias de volta à origem natural dos recursos e serviços ambientais essenciais à existência humana. Toda programação é criada para estimular a reconexão homem x natureza nos aspectos da cultura, saúde e qualidade de vida, identidade e patrimônio.

01 e 02/10 (quinta e sexta)

Expedição Folclórica Jequitibá Rosa

Parque Vassununga – Santa Rita do Passa Quatro

Horário: 9h às 11h e 14h às 16h

Endereço: Rodovia Anhanguera SP 330, km 245 – Santa Rita do Passa Quatro

Escolas e grupos devem agendar a participação por email festivalcultivar@gmail.com ou através do formulário no site do evento

IMG-20150922-WA0001

 

TSR_Face_16

Horta na caixa, bolotas de semente, terrário, plantas medicinais, brinquedos ecológicos, mandalas, orquídeas e animação são algumas das oficinas oferecidas pelo Festival Cultivar no fim de semana de 26 e 27 de setembro

O Festival Cultivar promove, no próximo fim de semana, atividades para todas as idades no Parque da Água Branca. A programação tem como objetivo reconectar as pessoas à natureza na cidade, proporcionando vivências com a terra, sementes, plantas e árvores, e estimulando a reflexão e o debate. Todas as oficinas são gratuitas e acontecem no Pavilhão 1, em frente à arena central do parque.

No sábado, 26/09, serão distribuídas duas mil mudas de temperos, em parceria com o Verdejando: alecrim, hortelã, manjericão, tomilho, orégano, manjerona, sálvia, salsinha e cebolete.

No domingo, 27/09, será realizado o Piquenique de Troca de Sementes e Mudas da Estação. E durante todo o fim de semana as pessoas poderão deixar seus anseios na Árvore dos Desejos e dar sua colaboração para o Varal de Artes da Natureza.

O 6º Festival Cultivar é uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação, SPTuris e Verdejando. Todas as atividades são gratuitas.

 

Confira a programação completa:

26/07 – sábado

9h às 10h – Nossa vida com as plantas: usos medicinais e cosméticos com Coletiva Caminho Natural

A oficina aborda partes das plantas, princípios de uso, colheita, armazenagem, cuidados no plantio, poder terapêutico das plantas, preparação das ervas, matérias primas vegetais, identificação e uso de algumas ervas. A importância da alimentação para nosso organismo e seu reflexo na saúde, bem-estar e beleza. Ingredientes que estão em nossa cozinha, usados em várias receitas para manter e promover a saúde da pele, cabelos, unhas etc. Haverá uma parte prática abordando a produção de produtos feitos à base de mamão, pepino, babosa, rosa, arroz etc. Todos os participantes recebem uma apostila com as receitas e amostras de produtos secos.

Facilitadoras: Manoella Segia Mignone (educadora ambiental e terapeuta holística), Vivian Yujin Chun (farmacêutica e bioquímica) e Karina Batista, (jornalista, documentarista e terapeuta – medicina chinesa e shiatsuterapia) do Caminho Natural (caminhonatural.net)

9h às 16h – Oficina de bolota de sementes + varal de artes da natureza + árvore dos desejos+ Bicicleta Serigráfica

No coreto em frente a arena central do parque os participantes das atividades do festival cultivar podem fazer suas bolotas de sementes de girassol, ver a exposição das artes produzidas ao longo do evento e na atividade do dia 19 no parque da luz, além de deixar registrado o seu desejo para uma vida mais harmoniosa com a natureza. Na bicicleta serigráfica quem levar camiseta ganha impressão das estampas do festival. Também serão impressos lambes e cartões com as estampas do evento.

9h às 16h – Distribuição e duas mil mudas de temperos, em parceria com o Verdejando: alecrim, hortelã, manjericão, tomilho, orégano, manjerona, sálvia, salsinha e cebolete.

10h às 11h30 – Abelhas sem Ferrão

A oficina abordará a importância das abelhas como polinizadoras e as implicações de seu desaparecimento. Serão apresentadas abelhas nativas sem ferrão do Brasil (tribo Meliponini), com destaque para as espécies mais adaptadas ao meio urbano. Após abordagem de diversos aspectos do tema, os participantes poderão observar um enxame em uma caixa didática.

Facilitador: Celso Barbiéri Jr, da SOS Resgate Abelhas sem Ferrão.

10h às 11h30 – Massinha Caseira, com Biomundo Permacultura, Arte, Design e Sustentabilidade

12h às 13h – Terrário para Crianças, com Carol Costa

Facilitadora: Carol Costa, jornalista e paisagista, colunista da Rádio BandNews, autora do site Minhas Plantas. Produz conteúdo exclusivo para marcas e empresas interessadas e ministra vários cursos de jardinagem.

12h às 16h – Valdinei Calvento, bicicleta girassol e painéis de grafite

O artista Valdinei Calvento assina painéis, pinturas de ruas, gravuras, ilustrações e artes gráficas inspiradas na relação mais harmoniosa com a natureza. Elementos e figuras de fauna e flora estão sempre presentes em suas composições. O artista fará a pintura ao vivo de 3 painéis durante as oficinas verdes no dia 26 de setembro. Além disso, um terceiro painel será produzido com a ajuda dos visitantes e dois desses painéis serão sorteados ao final do evento.  http://www.bicicletagirassol.com/home.html

13h às 14h30 – Brinquedos Ecológicos, com Biomundo Permacultura, Arte, Design e Sustentabilidade

15h30 às 16h – Use bem a água: Cisterna, com Cesar Pegoraro.

 

27/07 (domingo)

9h às 10h – Mandalas e elementos da natureza, com Coletiva Caminho Natural
A construção da mandala é sempre oportunidade de meditação. Nesta oficina são utilizadas sementes e outros elementos da natureza para exteriorizar o que se tem de mais belo. Num primeiro momento da oficina é apresentado um pouco de cada elemento presente. Cada participante pode trazer suas impressões e depois inicia-se uma parte prática de construção de mandalas. Todos os participantes recebem uma apostila e podem levar para casa a mandala construída durante a oficina.

Facilitadoras: Manoella Segia Mignone (educadora ambiental e terapeuta holística), Vivian Yujin Chun (farmacêutica e bioquímica) e Karina Batista, (jornalista, documentarista e terapeuta – medicina chinesa e shiatsuterapia) do Caminho Natural (caminhonatural.net)

9h às 11h – Construção de banheiro ecológico com Biomundo Permacultura, Arte, Design e Sustentabilidade no Caminho do Bem. 

9h às 16h – Oficina de bolota de sementes + varal de artes da natureza + árvore dos desejos+ Bicicleta Serigráfica

No coreto em frente a arena central do parque os participantes das atividades do festival cultivar podem fazer suas bolotas de sementes de girassol, ver a exposição das artes produzidas ao longo do evento e na atividade do dia 19 no parque da luz, além de deixar registrado o seu desejo para uma vida mais harmoniosa com a natureza. Na atividade bicicleta serigráfica, quem levar camiseta pode ganhar impressão das estampas do festival. Também serão impressos lambes e cartões.

10h30 às 12h – Plantio e Cuidado com Orquídeas, com Carol Costa

Nesta oficina haverá apresentação da família Orchidaceae, noções gerais das estruturas botânicas (raízes, pseudobulbo, flor, keiki), tipos de crescimento vegetativo, como escolher vaso e substrato adequados e o transplante de orquídea Phalaenopsis.

Facilitadora: Carol Costa, jornalista e paisagista, colunista da Rádio BandNews, autora do site Minhas Plantas. Produz conteúdo exclusivo para marcas e empresas interessadas e ministra vários cursos de jardinagem.

11h às 16h – 22º Picnic de troca de sementes e mudas das estações + conversa

12h às 13h – Contação de História: A Festa da Juçaroiaba, com Willian Germano

13h às 14h30 – Horta em Caixote, com Andre Biazoti

A horta em caixote é ideal para locais impermeabilizados, onde a terra está muito compactada, de difícil manejo ou com problema de luminosidade. É uma técnica que reduz a quantidade de terra utilizada para o plantio e favorece a manutenção de umidade no canteiro, fator importante para o cultivo sadio de alimentos. A horta utiliza principalmente palha e pode ser transportada para diferentes locais, o que possibilita uma ótima solução para quem quer produzir alimentos em um local reduzido ou apartamento.

Facilitador: André Biazoti é coordenador do Projeto Cidades Comestíveis (www.cidadescomestiveis.org),integrante da Rede Hortelões Urbanos e voluntário na Horta Comunitária do Centro Cultural São Paulo. Integrante ativo da Articulação Paulista de Agroecologia, atua na área de agricultura urbana desde 2011, é animador da Plataforma de Apoio à Agricultura Orgânica na cidade de São Paulo, integrante do Movimento Urbano de Agroecologia (MUDA_SP) e coordenador de projetos do Instituto 5 Elementos.

14h30 às 16h30 – Desenho, Arte e Animação: taumatrópio, com Andrea Valencio Pesek

Sabe o que é um taumatrópio? Apesar do nome difícil, é um objeto mágico muito fácil e divertido de fazer. Vamos juntar nossos sonhos e transformá-los em movimento. Para todas as idades.

Facilitadora: Andrea Pesek é arquiteta, pintora, escultora, dedica-se a projetos de animação, finalização, ilustração, direção de arte, cinema, instalações, vídeo arte. Uma das idealizadoras do canal de animações “Olhar Para Tudo” (olharparatudo.com.br) que busca contribuir para a formação de cidadãos críticos, atuantes, engajados em objetivos que valorizem o respeito pela rica diversidade do ser humano e da natureza. Participa ativamente de iniciativas socioambientais como coletivo Ocupe & Abrace, Horta das Corujas, Hortelões das Nascentes e NascentesSP.

 

trofeujequitiba

trofeujequitiba

No último sábado, 12 de setembro, o Festival Cultivar entregou o Prêmio Jequitibá de Relevância em Pesquisa Ambiental aos melhores trabalhos de pesquisa de nível técnico e de graduação.

O Prêmio, que foi entregue pela primeira vez, passará a integrar a programação anual do Cultivar, com o objetivo de destacar e reconhecer iniciativas relevantes para questões ambientais, fomentando a pesquisa e colocando em evidência a relação da humanidade com a natureza nas mais diversas áreas de estudo.

Concorreram a esta primeira edição do prêmio 11 trabalhos pré-selecionados pela organização do Festival a partir do destaque em congressos e simpósios nacionais e internacionais.

Foram premiados os três melhores trabalhos e concedidas três menções honrosas. Os prêmios incluíram um troféu confeccionado pela artista Naná Lavander, além de vale livros da Livraria Cultura e prêmios em dinheiro.

Confira os ganhadores e a premiação:

1º lugar: “Usando redes de sensores sem fio para monitorar a poluição de rios urbanos”, de Alexandre Colombo e Pedro Henrique Fini, da Escola de Engenharia de São Carlos. Orientador: Jo Ueyama. Prêmio: R$ 1.000,00 + troféu + vale livro no valor de R$ 500,00.

2º lugar: “Avaliação das interações gene-metais em ribeirinhos da região do Rio Tapajós, Pará, ambientalmente expostos ao Hg e ao Pb, via dieta”, de Andréia Ávila Soares de Oliveira, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto. Orientador: Gustavo Rafael Mazzaron Barcelos. Prêmio: R$ 700,00 + troféu + vale livro no valor de R$ 500,00.

3º lugar: “Estratégias de repovoamento da euterpe edulis em fragmentos florestais sobre explorados pela extração de palmito”, de Isabella Quatrochi Soncim, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Orientador: Pedro Henrique Santin Brancalion. Prêmio: troféu + vale livro no valor de R$ 500,00.

Menções Honrosas:

– “Percepção ambiental das crianças do Jalapão (TO) sobre o cerrado”, de Marco Antonio Martin Farias, do Instituto de Botânica da USP. Orientador: Paulo Takeo.

– “Determinação da toxicidade aguda causada pelos compostos inorgânicos presentes em efluente da produção de nitrocelulose”, de Éryka Costa de Almeida, da Escola de Engenharia de Lorena. Orientadora: Teresa Cristina Brazil de Paiva.

– “Restauração florestal de baixo custo através da semeadura direta em linha sem controle de plantas daninhas”, de Thayana Azevedo Lopes, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queirós. Orientador: Sergius Gandolfi.

O Festival Cultivar

Realizado anualmente pelo Instituto Árvores Vivas, o Festival Cultivar é o primeiro e maior evento brasileiro focado na reconstrução do vínculo entre sociedade e natureza, levando centenas de crianças e famílias de volta à origem natural dos recursos e serviços ambientais essenciais à existência humana. Toda programação é criada para estimular a reconexão homem x natureza nos aspectos da cultura, saúde e qualidade de vida, identidade e patrimônio.

O 6º Festival Cultivar é uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação. Todas as atividades são gratuitas.

 

curupira

curupira

Um sábado para conhecer espécies de fauna e flora do cerrado e promover o plantio de árvores nativas deste bioma brasileiro. Este é o convite do Festival Cultivar para o dia 03 de outubro. As atividades acontecem pela manhã e ao entardecer. Monitores do Cultivar abordarão também a importância do cerrado para a biodiversidade brasileira, suas fisionomias, paisagens e características. Embora a vegetação original predominante de Ribeirão Preto seja a Mata Atlântica, o município apresenta áreas com características de cerrado.

O cerrado é um dos biomas mais peculiares do planeta, abrigando 5% de todas as espécies conhecidas no mundo. No Brasil, o cerrado é uma das mais importantes fontes de água, dependendo dele a recarga de grandes aquíferos e de seis das oito maiores bacias hidrográficas nacionais: Amazônica, do Tocantins, do Atlântico Norte/Nordeste, do São Francisco, do Atlântico Leste e do Paraná/Paraguai.

A atividade é aberta ao público e acontece em dois turnos no Parque: das 9h às 11h e das 16h às 18h. O 6º Festival Cultivar é uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação. Todas as atividades são gratuitas.

03/10 (sábado)

Cerrado de Ribeirão Preto

Parque Curupira – Ribeirão Preto

Horário: 9h às 11h e 16h às 18h

Endereço: Av. Costábile Romano 337, Ribeirão Preto

Atividades de valorização do Cerrado Brasileiro, abertas ao público em geral.

 

ciclos

Atividade, que faz parte do 6º Festival Cultivar, busca instigar novas perspectivas e a reflexão sobre temas ambientais

No próximo sábado, 12 de setembro, pessoas de diversas áreas compartilham seus saberes no Cultivar Ciclos. São palestras que abordam diversos temas ambientais em perspectivas inspiradoras e que nos fazem pensar questões conhecidas sob novos ângulos.

Este ano o Ciclos acontece no Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura da Avenida Paulista. Um dos palestrantes é o geógrafo Luis Antonio Bittar Venturi, da USP, que abordará o tema água. Venturi esteve na Síria entre 2010 e 2011 desenvolvendo um pós-doutorado na Universidade de Damasco, sobre recursos hídricos, com foco na bacia do Rio Eufrates e na produção de água em usinas dessalinizadoras. O geógrafo apresenta uma visão contundente sobre a questão da água no Brasil e no mundo e propõe uma revisão de conceitos.

André Victor Lucci Freitas, do Departamento de Biologia Animal da Universidade de Campinas, estará também no Ciclos. Freitas é especialista em borboletas, atuando nas áreas de sistemática, evolução e conservação, e colaborador em diversos projetos de pesquisa tratando de assuntos ligados à ecologia e diversidade de borboletas.  É colaborador do ICMBio num amplo projeto focando na conservação dos lepidópteros ameaçados de extinção no Brasil.

Paulo Saldiva, da Faculdade de Medicina da USP, abordará saúde e qualidade de vida na cidade. Médico patologista, é um dos maiores especialistas do mundo em poluição atmosférica. Saldiva tem realizado importantes pesquisas e avaliado aspectos sociais, econômicos e políticos relacionados com a melhoria da qualidade do ar na cidade de São Paulo.

A quarta participante do Ciclos é Kayna Agostini, que abordará o tema polinização. Doutora em Biologia Vegetal pela Unicamp, tem experiência na área de biologia vegetal e ecologia, com ênfase em polinização e reprodução de plantas. É revisora de revistas nacionais e internacionais e professora na Universidade Federal de São Carlos.

Durante a realização do Cultivar Ciclos acontecerá também a entrega do Prêmio Jequitibá de Relevância em Pesquisa, que seleciona os melhores trabalhos de iniciação científica com objetivo de fomentar a pesquisa na área ambiental, colocando em evidência a relação da humanidade com a natureza nas mais diversas áreas de estudo.

O Cultivar Ciclos acontece das 9h às 12h30. Inscrições pelo link https://goo.gl/YsKzaw

O 6º Festival Cultivar é uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação. Todas as atividades são gratuitas. A programação completa pode ser acessada por este link: http://goo.gl/2lhNS9

12/09 (sábado)

Cultivar Ciclos + Prêmio Jequitibá de Relevância em Pesquisa

Local: Teatro Eva Herz – Livraria Cultura – Conjunto Nacional

Endereço: Av. Paulista 2073

Horário: 9h às 12h

Inscrições: http://goo.gl/2lhNS9

 

 

 

 

 

11181329_10206844769904544_4000602612998175086_n

Com objetivo de destacar e reconhecer iniciativas de pesquisa relevantes para questões ambientais, o 6º Festival Cultivar premiará trabalhos de iniciação científica pré-selecionados pela organização a partir do destaque em congressos e simpósios nacionais e internacionais.

Concorrem a esta primeira edição do Prêmio Jequitibá 11 trabalhos que propõem soluções em diferentes áreas. A intenção é fomentar a pesquisa na área ambiental, colocando em evidência a relação da humanidade com a natureza nas mais diversas áreas de estudo.

Neste primeiro ano do prêmio serão premiados os três melhores trabalhos de pesquisa de nível técnico e graduação, que receberão um troféu confeccionado pela artista Naná Lavander, além de vale livros da Livraria Cultura.

O primeiro colocado receberá R$ 1.000,00, o troféu e um vale livros no valor de R$ 500,00. O segundo colocado receberá R$ 700,00, o troféu e um vale livros no valor de R$ 500,00. O terceiro colocado receberá o troféu e um vale livros no valor de R$ 500,00

O anúncio dos trabalhos vencedores acontecerá no dia 12 de setembro, sábado, durante a realização do Cultivar Ciclos, que reúne especialistas para palestras sobre qualidade de vida e meio ambiente na cidade, a partir das 9h, no Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura. Para participar é preciso se inscrever: http://goo.gl/6E7l4X

Conheça os trabalhos indicados ao prêmio:

# Restauração Florestal de baixo custo através da semeadura direta em linha sem controle de plantas daninhas, de Thayanna Azevedo Lopes, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/ESALQ

# Distribuição espacial e associação de habitat edáfico de Euterpe edulis Mart. em uma floresta de restinga, de Bruna Lara Arantes, do Instituto de Biociências/IB

# Sustentabilidade, por uma nova lógica urbana: desenvolvimento econômico, social e ambiental, de Carolina Girotti, do Cento Universitário Belas Artes de São Paulo

# Determinação da toxicidade aguda causada pelos compostos inorgânicos presentes em efluente da produção de nitrocelulose, de Éryka Costa de Almeida, da Escola de Engenharia de Lorena/ EEL

# A água e o projeto público de paisagismo no Brasil, de Rennan Cruz, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo/ FAU

# Avaliação das interações gene-metais em ribeirinhos da região do Rio Tapajós, Pará, ambientalmente expostos ao Hg e ao Pb, via direta, de Andréia Ávila Soares de Oliveira, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto/ FCFRP

# Percepção Ambiental das crianças do Jalapão (TO) sobre o Cerrado, de Marco Antonio, do Instituto de Biociências/ IB – USP

# Avaliação do potencial combustível da biomassa de microalgas marinhas isoladas no Estado de São Paulo, de Alessandra Colombo Simões Gomes, do Instituto Oceanográfico/ IO

# Usando redes de sensores sem fio para monitorar a poluição de rios urbanos, de Alexandre Colombo, da Escola de Engenharia de São Carlos/ EESC

# Adsorção de cobre em palha de cana de açúcar in natura e quimicamente modificada, de Mateus Vinicius Casagrande da Silva, da Escola de Engenharia de Lorena/ EEL

# Estratégias de repovoamento de Euterpe edulis em fragmentos florestais sobre-explorados pela extração de palmito, de Isabella Quatrochi Soncim, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queirolz/ ESALQ

O Prêmio Jequitibá de Relevância em Pesquisa integra o 6º Festival Cultivar, uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação. Todas as atividades são gratuitas.

Parque da Luz - Guia dos Parques Municipais SVMA
Parque da Luz - Guia dos Parques Municipais SVMA

Parque da Luz – Guia dos Parques Municipais SVMA

Conhecer a natureza e a história do mais antigo parque público da cidade de São Paulo e retratar seus diferentes aspectos, seja em desenho, pintura ou fotografia. Esta é a atividade promovida pelo Festival Cultivar o dia 19 de setembro. A Expedição Natureza Inspira Arte: Registros em Fotografia, Desenho e Pintura, no Parque da Luz, terá como guias a artista plástica Juliana Russo, a designer para sustentabilidade e diretora do Cultivar, Juliana Gatti, e o fotógrafo João Kulcsar.

A equipe do Instituto Árvores Vivas conduzirá o processo, compartilhando informações sobre diversos aspectos do parque: história, fauna, flora e particularidades. Dentro deste quadro, os guias conduzirão o público a registrar a natureza e as singularidades do Parque da Luz utilizando diversos processos.

O Parque da Luz é o mais antigo parque público municipal da cidade de São Paulo. Criado originalmente como Horto Botânico, foi aberto ao público em 1825. Sua história está intimamente ligada à arborização da cidade. Sua vegetação é composta por bosques e jardins implantados com espécies como alecrim-de-campinas, chichá, jenipapo, magnólia-branca, oiti, sapucaia, pau-ferro, dentre outras. Destacam-se alamedas de falsa-figueira-benjamim e de guatambu. Foram registradas 165 espécies. Em relação à fauna, foram registradas mais de 70 espécies, das quais a grande maioria são aves. Há também os famosos bichos-preguiça, difíceis de avistar.

Os registros realizados durante a expedição do dia 19 serão expostos no Parque da Água Branca nos dias 26 e 27 de setembro, quando acontecerão muitas outras atividades no local.

A atividade começa às 14h, com ponto de encontro na frente da Pinacoteca.

19/09 (sábado)

Natureza Inspira Arte: Registros em Fotografia, Desenho e Pintura
Horário: 14h às 17h
Endereço: Praça da Luz s/n, Bom Retiro (ao lado da Pinacoteca do Estado)
Os guias

Juliana Russo é artista plástica devota da rua. É na diversidade de pessoas, ideias, camadas arquitetônicas e respiros de natureza em meio ao concreto urbano que busca inspiração. É integrante do Cidades para Pessoas, que pesquisa projetos que deixem as cidades mais humanas. É membro do grupo Urban Sketchers, que reúne desenhistas de cidades pelo mundo. Participou de algumas exposições, entre elas o 15º Salão de Arte da Bahia, a 9º Bienal de Arquitetura, a exposição de abertura na galeria Phosphurus em 2012 e no ano passado uma individual na Galeria Epicentro Cultural com a exposição “Infinita Descontinuidade”. A matéria prima de seu trabalho é a observação da cidade como território do possível. Conheça mais o trabalho da artista em http://jurusso.tumblr.com/

João Kulcsár tem mestrado em artes pela Universidade de Kent, Inglaterra, 1996/7. Foi professor visitante na Universidade de Harvard 2002/3, como bolsista da Comissão Fulbright. Professor do SENAC-SP desde 1990. Curador de exposições fotográficas no Brasil e no exterior como Portugal, Estados Unidos, Cuba, Inglaterra, Itália e Suíça. Coordenador do projeto de uso de fotografia em sala de aula e de fotografia para pessoas deficientes visuais. Autor do livro Herança Compartilhada e Retratos Imigrantes. Editor do site www.alfabetizacaovisual.com.br.

Juliana Gatti é designer para a sustentabilidade pelo Gaia Education com especialização em paisagismo, botânica e ecologia. Fundadora do Instituto Árvores Vivas para Conservação e Cultura Ambiental. Há nove anos trabalha com pesquisas sobre a relação entre pessoas e o meio ambiente. Inspira-se na diversidade natural como uma obra de arte infinita e viva. Desenvolve a metodologia multissensorial-integrativa-informativa aplicada nas ações do Instituto. Também é idealizadora da Rede de Troca Sementes e Mudas e anualmente faz a direção e curadoria do Festival Cultivar.

11903297_1070083689676503_79754762_n

Que tal saudar as árvores ouvindo suas histórias, conhecendo as espécies e plantando novas árvores no Parque Buenos Aires? Este é o convite do Festival Cultivar para dia 20/09, domingo, véspera do dia da árvore.

Já pensou há quanto tempo existem as árvores? E o que veio antes: a árvore ou a semente? Se as sementes pudessem falar, o que nos diriam? O domingo começa às 10h com Gabriela Hess (atriz, contadora de histórias e artista educadora) e Juliana Bazanelli (encenadora e atriz-cantadora) contando a história A Floresta Primeira: Histórias de Árvores e Sementes. Na história, as sementes são cápsulas do tempo e contam e cantam sua história.

11903297_1070083689676503_79754762_n

A oficina Como Observar a Natureza e Perceber a Delicadeza de seus Fluxos?, ministrada por Rita Mendonça (bióloga e socióloga), Ana Carolina Thomé (educadora infantil, formada em pedagogia, especialista em psicomotricidade e educação lúdica) e Greta Souza (educadora com formação em filosofia, educação transdisciplinar, vivências com a natureza e cultura de paz), do Instituto Romã, promove escuta ativa e percepção sensível sobre os processos naturais, e é voltada para crianças e adultos de todas as idades.

IMG_3453

 

A equipe do Instituto Árvores Vivas conduzirá caminhadas e conversas sobre arborização, e será realizado um plantio para celebrar o dia da árvore, completando a programação no Parque Buenos Aires.

O 6º Festival Cultivar é uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação. Todas as atividades são gratuitas.

20/09 (domingo)

Histórias das Árvores

Parque Buenos Aires

Horário: 10h às 13h

Endereço: Avenida Angélica, s/n – Altura 1.500 – Santa Cecília

Cena do filme "Entre Rios"

O Auditório Paulinho Nogueira, no Parque da Água Branca, abriga sessões de cinema gratuitas nos dias 26 e 27 se setembro, sempre a partir das 16h30, seguidas de debate. São filmes que nos fazem refletir sobre nossa relação com a natureza, sua biodiversidade e recursos naturais. Sobre a forma como nos colocamos no mundo. A programação do Cine Natureza integra o 6º Festival Cultivar, que promove atividades durante todo o mês de setembro.

Cena do filme "Território do Brincar"

Cena do filme “Território do Brincar”

No sábado, dia 26/09, será exibido o filme “Território do Brincar”, em parceria com a Videocamp. O filme de Renata Meirelles e David Reeks percorre o Brasil de norte a sul com a ideia de revelar os seres humanos por meio dos gestos das crianças. Em uma correalização com o Instituto Alana, e coprodução da Maria Farinha Filmes e da Ludus Videos e Cultura, o projeto trabalha com o modo de olhar para a criança e seu jeito de brincar, focando no que há de mais belo e potente na infância. A ideia do filme é falar de cada um de nós por meio dos gestos das crianças brincando. Quase como se pudéssemos fazer um retrato humano por meio dessas brincadeiras, que dizem respeito a arquétipos e a um inconsciente coletivo do homem.

Renata e David percorreram juntos comunidades rurais, indígenas, quilombolas, litorâneas, grandes metrópoles e sertões. “Queremos comunicar ao mundo que, ao contrário do que quase todos os adultos com quem conversamos pensam, as crianças brincam, sim. Esse mantra do adulto de que a criança de hoje em dia não sabe mais brincar é um reflexo claro de que não sabemos mais olhar a criança”, afirma Renata. “Em última instância, quanto mais acreditarmos que as crianças não brincam, mais teremos que ocupar seu tempo ocioso com serviços, cursos ou instituições, e consumir brinquedos e aparelhos eletrônicos. Por isso precisamos saber que cavoucar a terra, procurar insetos nas plantas, brincar de casinha, construir brinquedos e tantos outros aspectos são necessidades essenciais das crianças e correspondem ao seu brincar atual e atemporal”, completa Renata, que estará presente durante a sessão para um bate-papo com o público. filme-um-rio

 

No domingo, 27/09, serão exibidos quatro curtas-metragens. “Um Rio”, de Andrea Pesek e Marcelo Bala, foi inspirado por uma frase do Rios e Ruas: “Rio não morre. Rio pode ser escondido, rio pode ser coberto, rio pode ser soterrado, rio pode virar esgoto, mas ele não acaba, você não pode acabar com um rio”. O filme nos convida a olhar para os rios que correm em nossas vidas e em nossos sonhos. Andrea Pesek estará presente à sessão.

O documentário “Entre Rios”, de Caio Silva Ferraz, conta a história da cidade de São Paulo sob a perspectiva de seus rios e córregos. Até o fim do século XIX, esses cursos d’água foram as grandes fontes da cidade. Hoje, escondidos pelas canalizações, passam despercebidos pela maioria dos paulistanos. O filme aborda o processo de transformação sofrido pelos cursos d’água paulistanos e as motivações sociais, políticas e econômicas que orientaram a cidade a se moldar como se eles não existissem. A boa notícia é que a cidade, assim como os rios, está em constante transformação e pode tomar novos rumos dependendo dos valores e anseios da sociedade. Após a exibição acontece um bate-papo com Caio Ferraz.

Cena do filme "Entre Rios"

Cena do filme “Entre Rios”

“Paisagens do Conhecimento”, de Karine Batista e Kika Gouvea, é um mergulho na Floresta Amazônica, sua cultura e suas plantas medicinais. O conhecimento de ribeirinhos, de indígenas e do pesquisador Moacir Biondo se mesclam e se completam. Essa parceria ajuda a salvar e guardar um grande patrimônio imaterial: o uso e o conhecimento de medicina tradicional pelos habitantes da maior floresta tropical do planeta. O documentário mostra a vida na floresta, levando o público até a comunidade Terra Preta, às margens do Rio Negro e à cidade de Parintins às margens do Rio Amazonas. Biondo e curadores populares demonstram que o reconhecimento da medicina popular no Brasil representa, para além de um direito cultural dos povos tradicionais, a única possibilidade de garantir a saúde da maior parte das comunidades amazônicas, onde a paisagem é um patrimônio natural e cultural de valor inestimável.

Cena do filme "Paisagens do Conhecimento"

Cena do filme “Paisagens do Conhecimento”

O curta “Mulheres da Terra”, dirigido por Marcia Paraiso, aborda as sementes crioulas e o feminino da terra na voz de mulheres do Movimento de Mulheres Camponesas do oeste do estado de Santa Catarina. É esta relação íntima com a terra e com as sementes, tendo como horizonte o futuro da agricultura e da alimentação no mundo, que o documentário conta através das histórias de vida de algumas mulheres. Em vivências filmadas no interior dos municípios de Marema, Mondaí, São Miguel do Oeste, Chapecó, Anchieta e Palmitos encontramos a preocupação universal com o futuro do planeta. Em histórias de mulheres que, com suas mãos, cuidam da terra e são cuidadas por ela. A feminilidade desta relação também é um ponto importante.

Cena do filme "Mulheres sem Terra"

Cena do filme “Mulheres da Terra”

Sobre o Festival Cultivar

Realizado anualmente pelo Instituto Árvores Vivas, este é o primeiro e maior evento brasileiro focado na reconstrução do vínculo entre sociedade e natureza, levando centenas de crianças e famílias de volta à origem natural dos recursos e serviços ambientais essenciais à existência humana. Toda programação é criada para estimular a reconexão homem x natureza nos aspectos da cultura, saúde e qualidade de vida, identidade e patrimônio.

O 6º Festival Cultivar é uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação. Todas as atividades são gratuitas. A programação completa está disponível no site: http://festivalcultivar.com.br/

Serviço

Cine Natureza do Festival Cultivar

Data: 26 e 27/09 (sábado e domingo)

Local: Parque da Água Branca – Auditório Paulinho Nogueira (Av. Francisco Matarazzo 455)

Horário: 16h30 às 18h

580095_417430794959774_1484865942_n

IMG_0101

De 05/09 a 03/10 o Festival Cultivar oferece várias atividades para promover a reconexão das crianças com a natureza na cidade. São atividades que permitem o desenvolvimento de experiências multissensoriais e promovem o desenvolvimento de um repertório criativo e emocional mais amplo. Diferente da limitação que ambientes como apartamentos, shoppings ou salas de aula tradicionais proporcionam, contribuindo para uma sociedade mais saudável e com mais resiliente.

Oficina de reconhecimento de sons da floresta na Mata do Parque Trianon, visita monitorada à exposição Biodiversidade na Cultura Brasileira, oficinas de horta e bola de sementes, plantios, expedição no Parque da Luz com produção de registros em fotografia, desenho e pintura, trilhas, dentre muitas outras atividades, são oferecidas para os pequenos.

O Festival Criança e Natureza faz parte da programação do Cultivar, e foi pensado para garantir oportunidades para que as crianças tenham experiências reais junto à natureza, mesmo em um ambiente altamente urbanizado como a cidade de São Paulo. Isso é fundamental para estimular o cuidado com a diversidade ambiental.

As atividades, todas gratuitas, acontecem em parques, hortas e outros espaços da cidade, e promovem a curiosidade, investigação, apreciação, reconhecimento, experimentação, ampliação de repertório e estímulo multissensorial, incentivando um desenvolvimento mais harmônico de respeito e saúde com a natureza. E m 2005 o jornalista e escritor Richard Lov levantou a hipótese da síndrome de déficit de natureza (Nature Deficit Disorder), que pode levar a uma ampla gama de problemas de comportamento. Um mal que afeta milhares de crianças em uma sociedade que apresenta muitas oportunidades de entretenimento diante de uma tela ou entre quatro paredes.

Populações urbanizadas desenvolveram um alto grau de fragmentação natural, tornando-se amplamente desconectadas de referências dos ambientes naturais pouco modificados pelo homem, perdendo até mesmo o referencial de origem natural dos produtos consumidos e também a condição ambiental natural necessária para a vida humana e todos os seres. As atividades promovidas pelo Festival Criança e Natureza reafirmam o compromisso de fomentar, cuidar e resguardar a saúde e bem-estar da nossa sociedade e do nosso meio ambiente saudável.

O 6º Festival Cultivar é uma realização do Instituto Árvores Vivas, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São ‘Paulo, com patrocínio da Rodonaves e da AES Eletropaulo, produção executiva da Origem Produções e apoio da Envolverde Comunicação. Todas as atividades são gratuitas.

 

Festival Criança e Natureza – Programação

06/09 (domingo)

Observação de aves, sons da floresta e dicas de fotografia

Parque Tenente Siqueira Campos – Trianon

Endereço: Av. Paulista (entrada em frente ao MASP), 200 m da estação de metrô Trianon Masp

Horário: das 8h às 11h

Um convite a conhecer e reconhecer as aves do nosso dia a dia. Observação contemplativa conduzida por Sandro Von Matter, do Instituto Passarinhar, incluindo oficina de sons da natureza para crianças e dicas de fotografia.

08/09 a 21/09

Exposição Biodiversidade na Cultura Brasileira

Conjunto Nacional

Endereço: Av. Paulista 2073

Horário: 07h às 22h (segunda a sábado) e 10h às 22h (domingo)

A exposição é composta por elementos das árvores (frutos, sementes, madeiras), imagens e informações sobre algumas espécies ilustres do Brasil. Visitas guiadas e atividades voltadas a grupos, escolas e instituições serão promovidas no local.

Aberto continuamente no horário de funcionamento do Conjunto Nacional

Monitoria das 10h às 20h – público geral

Escolas e Grupos – 13h às 16h – terça à quinta – devem agendar a participação por email festivalcultivar@gmail.com ou através do formulário no site do evento (festivalcultivar.com.br).

13/09 (domingo)

Expedição A Natureza é PANC

Centro Cultural São Paulo – Horta

Endereço: Rua Vergueiro 1000

Horário: 10h às 14h

A Expedição A Natureza é PANC, que acontece no Centro Cultural São Paulo (CCSP) no dia 13/09, convida os paulistanos a conhecer a história das hortas comunitárias em São Paulo. Uma oficina de adereços naturais e um mutirão na Horta do CCSP completam a atividade. Neide Rigo, do Come-se, é convidada especial da atividade.

19/09 (sábado)

Natureza Inspira Arte – Registros com Fotografia, Desenho e Pintura

Parque da Luz

Horário: 14h às 17h

Endereço: Praça da Luz s/n, Bom Retiro (ao lado da Pinacoteca do Estado)

Oficina de introdução à história ambiental do parque e um convite à realização de fotos e desenhos da natureza local. Arte e natureza para crianças e adultos. O resultado será exposto em um varal no Parque da Água Branca no final de semana das oficinas verdes 26 e 27/09.

20/09 (domingo)

Árvore e Natureza – histórias, sensibilização e arborização da cidade

Parque Buenos Aires

Horário: 10h às 14h

Endereço: Avenida Angélica, s/n – Altura 1.500 – Santa Cecília

A atividade vai abordar a história da arborização do Parque e promover a contação de muitas outras histórias, além de oficinas de sensibilização da natureza para crianças com a participação de Rita Mendonça do Instituto Romã.

22 a 24/09

Criança e Natureza

Atendimento a escolas, instituições e grupos

Horto Florestal + Museu Otavio Vecchi

Horário: 9h às 11h e 14h às 16h

Endereço: Rua do Horto 931

Atividades voltadas a crianças de escolas públicas, grupos e instituições em geral. Plantios, bombas de sementes, arte e muito mais.

Escolas e grupos devem agendar a participação por email festivalcultivar@gmail.com ou através do formulário no site do evento (festivalcultivar.com.br)

26 e 27/09 (sábado e domingo)

Oficinas Verdes

Parque da Água Branca – Teatro Tatersal

Endereço: Av. Francisco Matarazzo 455

Horário: 9h às 16h30

Atividades para crianças e família, bate-papos sobre tecnologias ambientais e arte inspirada na natureza.

01 e 02/10 (quinta e sexta)

Expedição Folclórica Jequitibá Rosa

Parque Vassununga – Santa Rita do Passa Quatro

Horário: 9h às 11h e 14h às 16h

Endereço: Rodovia Anhanguera SP 330, km 245 – Santa Rita do Passa Quatro

Atividades com escolas da região. O Parque é área de grande destaque ecológico, por representar um dos últimos remanescentes de vegetação natural outrora existentes na região, um relicário de fauna e flora. Abriga a maior concentração de indivíduos de espécies Jequitibá-rosa, incluindo o maior exemplar paulista acessível a visitação pública.

Escolas e grupos devem agendar a participação por email festivalcultivar@gmail.com ou através do formulário no site do evento (festivalcultivar.com.br)

03/10 (sábado)

Cerrado de Ribeirão Preto

Parque Curupira – Ribeirão Preto

Horário: 9h às 11h e 16h às 18h

Endereço: Av. Costábile Romano 337, Ribeirão Preto

Atividades de valorização do Cerrado Brasileiro, abertas para toda família